sábado, 9 de julho de 2011

Retrato de Maria


Queria,
Ao menos por um dia,
 Saber o que se passa na cabeça de Maria.
 
 Disse que viria, não veio.
Disse que caberia, não coube.
Disse muitas coisas, que sabia, mas não soube.
 
Me lembro de um dia,
Em que eu disse para Maria:
“A vida é bela para quem não amarela, guria.”
 Das cores da aquarela, é a mais singela, na tela, amarela.
"Amarela é a cor dos fracos" concordou ela.
 
Desse dia em diante
Não pensei mais em Maria ao menos por um instante
A não ser por agora
Em que tiro o seu já amarelado retrato da estante.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário