segunda-feira, 23 de julho de 2012

Um pedido

Não sou desses de pedir muito
Tampouco daqueles que querem pouco,
riem a toa ou choram pelos cantos
Complacente,
aceito as consequências de meus atos.
Não me encanto.

Não peço por aquilo que a mim mesmo cabe
se eu choro, se eu rio, se eu conto se eu minto,

se eu vou, se eu volto, se eu mato, se eu amo
Quando a preguiça cede,

Eu faço, eu canto

E no meu canto eu peço.

Peço a Deus e ao diabo
- Me deixem em estar! - eu rezo.
continuem nessa eterna batalha, 
bom trabalho e boa sorte!

Se eu me importo?

O inferno é logo ali, segue reto
vire à sua direita e dez cairão ao seu lado,
Logo por ali é o céu, é perto.

O que eu busco aqui é a terra,
a paz
Quanto a minha alma, vejam bem, vendi ontem pra pagar o gás.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Caravela


Por mares conhecidos, perdidos dias de outrora
Desconhecida
Sob bandeira aliada ainda navegava, quando avistei.
“Lá está” - eu disse,
E logo, em meio a névoa, já se foi

O tempo passou e por vezes a lua mergulhou,
Quando no meio de uma tempestade,
hasteando bandeiras brancas
Tu te aproximaste

Do denso oceano, vieste de volta pros Palmares
Linda caravela, que antes sob escolta,
furiosamente singrava os mares
E agora flutua sozinha aborcada em meu lago raso,
com o vento ainda em suas velas
bela.
Sob o luar, caravela.