quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Caçador de pérolas


Amaro, nome condizente, proferido inocentemente por pais humildes

Previsão de um futuro incerto, fadado pela adição de uma desinência

Amarga vida, movida pelo sentimento da perda

Motivado apenas pela esperança de reencontrar seu tão precioso bem

O Amaro dia após dia, juntando centavos que ao final da noite servirão para aquecer e reconfortar o coração simples com mais um trago que afasta a solidão

Amargo, além do Amaro nome, sentença de vida

É a condição ocultada pela falta do conhecer que ameniza a situação

Noite quente, daquelas noites impossíveis de se ficar em casa

Boa desculpa pra se andar em meio às cambaleantes pessoas vestidas de branco 

Não por prazer, mas sim pelo ganha pão

A imagem de alegria dos otimistas se desfaz, desvanecendo sorrisos ao verem a realidade ali prostrada

Parecem até se esquecer das prestações e faturas do cartão...

Então agora é janeiro, Rio de Janeiro, estúpida coincidência vista como o presságio de algo novo

Duas da madrugada, mais um final de noite após um dia cansativo catando latas, trabalho árduo, mas honesto

Empunhando uma grande sacola, vem vindo mais um, entre vários

Revirando lixo a procura das migalhas de alumínio do hedonismo alheio

Mesmo assim sorria com seus poucos dentes a cada lata arrebatada da areia como ao encontrar pérolas. 

O mar manso, com seu murmurar aconchegante é a trilha sonora do episódio

Uma mesa de bar à beira-mar, dois garotos desfrutando de seus 18 anos

Conversando felizes, como todos os turistas com grana no bolso

Não são os únicos. parece que a noite quente atraiu muita gente para o mar

Ótimo! Mais latas!

Não é uma ambição, latas são somente uma saída em meio a um mercado extremamente competitivo

Grande concorrência e baixa rentabilidade

Se vê claramente o teor alcoólico das conversas pelas cervejas vazias sobre a mesa
Não hesita, e logo pede educadamente uma contribuição:

- Tá vazias?

- Opa! Senta ai meu!

Feliz por não ser mais indigente

Temporariamente

Foi visto, ouvido, falou e bebeu

Bem-vindo, recebido e tratado como amigo

Não era mais invisível então?



Rio de Janeiro, 2001


Nenhum comentário:

Postar um comentário